Fibromialgia

Conheça os sinais de alerta de uma doença que afeta, sobretudo, mulheres entre os 20 e os 50 anos.

Conheça os sinais de alerta de uma doença que afeta, sobretudo, mulheres entre os 20 e os 50 anos.

 

O que é a fibromialgia?

 

É uma síndrome musculoesquelética crônica, não inflamatória e de causa desconhecida. Está na origem de uma incapacidade física e emocional, por vezes grave, que atinge cerca de dois por cento da população.

 

Origina dor generalizada nos tecidos moles (músculos, ligamentos ou tendões), mas não afeta as articulações e os ossos.

 

Quais são os fatores de risco?

 

  • Gênero - as mulheres são cinco a nove vezes mais afetadas do que os homens;

  • Idade – inicia-se entre os 20 e os 50 anos sobretudo, embora também possa afetar crianças e jovens em idade escolar.

 

Quais são os sintomas?

 

Dores generalizadas, fadiga, alterações quantitativas e qualitativas do sono e perturbações cognitivas.

Como se diagnostica?

 

O diagnóstico é essencialmente clínico, servindo os meios complementares de diagnóstico para excluir outras doenças. Assenta, sobretudo, na presença de:

  • Dor musculoesquelética generalizada, ou seja, abaixo e acima da cintura e nas metades esquerda e direita do corpo;

  • Dor com mais de três meses de duração;

  • Existência de pontos dolorosos à pressão digital em áreas simétricas do corpo e com localização bem estabelecida.

 

Deve ser feito o diagnóstico diferencial com doenças reumáticas inflamatórias, disfunção tiroideia e patologia muscular.

 

Quais são os fatores de risco?

 

São bastante amplos. Vão desde os associados com o estado de dor crônica generalizada (idade, sexo, etc.), às características da personalidade pró-dolorosa (perfeccionismo compulsivo, incapacidade de relaxamento e desfrute da vida, incapacidade para lidar com situações hostis, etc.).

 

Os sinais de alerta para o desenvolvimento da doença são:

  • História familiar da doença;

  • Síndrome dolorosa prévia;

  • Preocupação com o prognóstico de outras doenças coexistentes;

  • Traumatismo vertebral, especialmente cervical;

  • Incapacidade para lidar com adversidades;

  • História de depressão/ansiedade;

  • Sintomas persistentes de “virose”;

  • Alterações do sono;

  • Disfunção emocional significativa;

  • Dor relacionada com a prática da profissão.

 

O conhecimento destes sinais de alerta torna possível a intervenção precoce e a prevenção, evitando o agravamento da doença e o desenvolvimento de complicações.

 

Como é que se trata a fibromialgia?

 

Deve ser tratada na rede de cuidados primários de saúde (centros de saúde).

 

O prognóstico da doença é habitualmente bom.

 

Os medicamentos usados com mais eficácia são os analgésicos, os antidepressivos tricíclicos e os inibidores seletivos de recaptação da serotonina, os relaxantes musculares e os indutores do sono.

 

A prática regular de exercício físico também é indicada.

 

Por vezes são necessárias outras formas terapêuticas, bem como a intervenção da reumatologia, psiquiatria e outras especialidades médicas ou diferentes profissionais de saúde.

 

É uma doença que requer acompanhamento médico e avaliações periódicas relativamente à evolução das queixas e aos eventuais efeitos adversos da terapêutica. O acompanhamento depende da gravidade da fibromialgia e de outras doenças associadas.

 

Fonte:
Direção-Geral da Saúde

 

Leia mais sobre:

Contatos

(.11) 2983-8003

(11) 96752-3225

Rua Major Dantas Cortez, 102 - São Paulo, SP 0266-000

©  2019 por Cirúrgica Tucuruvi Ltda

Formas de Pagamento